Sobre não fazer o que não devemos fazer

Ao longo da vida, somos incentivados ou quase coagidos a fazer coisas que não devemos ou que não queremos.

Até um certo ponto, isso não e necessariamente ruim, porque ajuda a ampliar os horizontes e aprender habilidades que não aprenderíamos de outra forma. O problema é quando essa atitude passa a ser… Bom… Um problema.

No ambiente profissional, isso é particularmente danoso. Tenho percebido que não há nada pior do que um funcionário “resourceful” ou habilidoso, porque ele se torna uma bengala para seus colegas e superiores.  Cientes de sua habilidade e de sua boa vontade, acabam por exceder suas habilidades, prejudicando o resultado.

Tive uma dessas epifanias alguns dias atras, quando decidi que era necessária uma nova logo para o serviço de coaching que estava para lançar – o Cognos Coaching.

Tenho me virado em termos de design gráfico nos últimos anos, principalmente por meio de interesse próprio e desenvolvimento de alternativas que me atendessem parcialmente – a despeito das limitações intelectuais e financeiras. Mas chega uma hora em que não dá mais – e reconhecer as limitações intransponíveis é mais do que uma habilidade – é uma necessidade.

Quando precisamos de uma ferramenta ou de um auxílio, ele acaba aparecendo – quase que espontaneamente, quando estamos prontos. Encontrei o Elance.com, com seu apanhado de profissionais liberais prontos para fazer grandes trabalhos a preços baixos. Contratei um paquistanês para fazer a logo e ficou um trabalho bem bacana (viva a globalização). Veja a logo no site.

A moral disso tudo eh que, em muitos casos, há soluções simples e práticas – e muitas vezes baratas – que estão bem debaixo dos nossos narizes, mas que nos recusamos a perceber. Precisamos, então começar a expandir os horizontes e deixar de fazer aquilo que não somos bons ou que não somos bons o suficiente. É a lógica de não fazer o que não devemos fazer. E, pela oposto da afirmação, fazer aquilo que devemos fazer. Meu trabalho não era a logo, era o coaching. Talvez eu estivesse até hoje por conta de elabora-lá, sem colocar o site no ar. Mas resolvi o problema em 3 dias e cá estamos. Fazendo o que precisamos fazer. Menos quando estamos fazendo o que não precisamos fazer. Que nos impede de fazer o que, de fato, precisamos fazer.