Basicamente – o retorno à estrutura nos estudos para concursos

por Fernando Mesquita

No cotidiano de qualquer atividade, é fácil esquecer do que realmente importa. Pode ser em um relacionamento, no trabalho, nos estudos. Toda atividade tem seus pontos básicos, que no dia-a-dia acabam sendo negligenciados, quando poderiam muito bem ser utilizados como suporte quando não sabemos mais o que fazer.

Com os estudos, óbvio, isso não é diferente. Se você estuda há algum tempo para concursos, deve ter entendido que há 3 (quiçá 4) pontos que são os mais importantes e que englobam toda a preparação para os concursos. Falaremos disso em alguns parágrafos.

Mas é claro que o básico é fácil de esquecer, porque ele fica submerso em uma pilha de técnicas, habilidades, conceitos e sugestões que muitas vezes ouvimos. Termos jogados no ar, como “horas líquidas”, “mapas mentais”, “habilidades”, “áreas”… Tudo isso parece às vezes muito complexo, mas muitas das pessoas que passam em concursos – pasmem – não chegam a ouvir nada disso. Elas reconhecem, de forma quase intuitiva, que há essas quatro atividades – o básico – que coordenam a aprovação dos candidatos. Nomeei essa sequência, carinhosamente, de Ciclo EARA.

Um ciclo não tem fim. Ele continua indefinidamente, até que algum evento crie uma quebra na estrutura dele. No nosso caso, essa quebra é a aprovação no concurso desejado, que virá mais rápido do que você espera.

O ciclo EARA compreende Estudo -> Aplicação -> Revisão -> Adaptação. A lógica é simples:

Estudo é tudo aquilo que estabelece os primeiros contatos com um conteúdo. Você lê um livro, um artigo, tem uma aula.

Aplicação é a transformação do estudo em atividades. Exercícios objetivos, redações, questões discursivas. Como mostram diversos estudos sobre o assunto, a aplicação é fundamental no processo de fixação dos conteúdos estudados.

Revisão é o resgate do conteúdo estudado. Em um mundo ideal, nós passaríamos uma pequena parte do tempo apenas estudando e a maior parte do tempo aplicando e revisando aquilo que foi estudado. Isso porque é importante otimizar seu tempo, cuidar para que cada hora estudada seja uma hora armazenada, seja por meio de resumos, seja por meio de mapas mentais, comentários de questões, esquemas, desenhos, o que quer que funcione para você.

Adaptação, por fim, é o final e o reinício do processo e é uma fase que muitas pessoas negligenciam. Adaptação é fundamental para qualquer processo (e ainda vamos falar muito deles). Adaptação refere-se a aproveitar o que é bom, ajustar o que está errado e procurar reforçar aquilo que funciona, junto com descobrir novas práticas – e falo disso constantemente com os alunos do Coaching, mesmo que eles às vezes não percebam que se trata desse ponto específico).

O processo pode parecer complexo em princípio, mas é importante reconhecer que tudo é complexo pela primeira vez, até que se entenda o básico. E o básico é isso. Todo o resto está ali dentro, acredite ou não.

Fixe o básico. Quando tudo parecer estranho ou perdido, use-o como uma estrutura, como um porto seguro para reorganizar as ideias.

Bons estudos e sucesso,

Fernando Mesquita

Anúncios